No centro da pandemia do Covid-19 foram muitas as instituições – como a Comissão Europeia, o Fundo Monetário Internacional ou o Fórum Econômico Mundial – as que advertiram sobre a crise social, econômica e sanitária de grande escala que se alastraria por todo o mundo.

Cidadãos, empresas e instituições estão lutando para continuar suas atividades em um contexto difícil, no qual as drásticas limitações dos movimentos impostas pelos governos fazem com que as ferramentas digitais adquiram relevância extraordinária.

A Minsait, consultoria em transformação digital, identificou as tecnologias e as capacidades necessárias para uma gestão eficaz da crise atual, bem como para acelerar a recuperação à medida que o risco de epidemia se dissipar.

Alberto Bernal, diretor de Smart Cities de Minsait, considera que as instituições públicas encontram-se diante de uma oportunidade única. “A tecnologia bem empregada, como estamos vendo nesta crise história originada pela pandemia do Covid-19, está demonstrando ser uma ferramenta determinante para garantir a continuidade dos negócios e a evolução normal da sociedade”.

“O extraordinário avanço que as soluções Smart Cities experimentaram com a incorporação de tecnologias como Inteligência Artificial ou Big Data, fará com que estejamos muito muito melhor preparados, em curto e médio prazo, para enfrentar novas crises, sejam elas sanitárias, ambiental, social ou mesmo econômica ”, completou o diretor de Smart Cities de Minsait.

Se os especialistas concordam com algo é que, uma vez que a ameaça da pandemia seja dissipada, as regras do jogo terão mudado. Em alguns meses, teremos avançado mais na digitalização da sociedade e na economia que em anos. Isto obrigará as companhias a operarem em um entorno no qual o peso da tecnologia será crucial para a viabilidade dos seus negócios.

Soluções de coordenação sanitária

Por meio de um sistema de suporte para a tomada de decisões em tempo real para uma gestão avançada, coordenada e integrada dos recursos humanos e materiais e os pacientes, o que permite otimizar os recursos e melhorar a qualidade dos serviços prestados.

Tudo isso graças à integração dos sistemas de informação de todas as instituições sanitárias, bem como os sistemas de gestão de cada um de seus hospitais, uma análise global da disponibilidade de recursos materiais, leitos hospitalares e taxa de ocupação do pessoal da saúde do sistema hospitalar, priorizando a transferência de pacientes entre hospitais em função da disponibilidade de recursos, previsão de internações e altas em hospitais, eficiência das transferências e impacto econômico, bem como a gestão de ambulâncias e outros modos de transporte de pacientes e fornecimentos.

Reativação da economia e emprego

Em curto prazo, soluções focadas em plataformas colaborativas de conteúdos turísticos digitais trarão uma melhora da concorrência, eficiência dos destinos e potencialização da geração de ofertas e notificações adequadas ao perfil do usuário.

Tudo isso por meio da inserção de um extenso catálogo de conteúdos turísticos digitais dos diferentes destinos, pontos de interesse e atrações turísticas para o consumo de terceiros e com o objetivo de promover novas experiências turísticas e culturais, bem como facilitar o isolamento.

Em médio e longo prazo buscando um modelo de crescimento inteligente e inclusivo, por meio de plataformas que permitam a melhoria dos serviços e a proteção dos grupos mais desfavorecidos, que sofrem com as consequências econômicas derivadas da crise do Covid-19, por meio de motores de recomendação de oferta e emprego, acesso ao financiamento, auxílios e/ou subsídios específicos, etc.

Modelo de colaboração público-privada digital

Soluções focadas na criação de um portal nacional de dados abertos, o qual permita a aplicação dos diferentes sets de dados sobre o impacto do coronavírus para a criação de um ecossistema de agentes que possa explorar a informação, a fim de obter conclusões relevantes, novos modelos de análise, aplicações de valor agregado, etc.

Outro ponto é o desenvolvimento de uma plataforma que permita, tanto a nível nacional quanto local, estabelecer modelos de relação e coordenação entre diferentes atores, a fim de implementar projetos sociais que sirvam para reduzir os efeitos negativos do Covid-19 nos cidadãos e na economia.

Tudo isso através de integração de dados de ativos hospitalares para agilizar a doação de suprimentos de equipamentos, material médico e outro tipo de iniciativas solidárias, distribuição de alimentos, acomodações médicas, entretenimento ou assistência psicológica; uma plataforma de crowdfunding que suporta ambos os projetos com alcances nacional e local; ou a integração com as principais plataformas de pagamento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here