O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (EMBRAPII) assinam acordo que destina R$ 170 milhões a projetos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) de empresas nacionais.

Parceria entre BNDES e EMBRAPII vai gerar até R$ 510 milhões em investimentos para inovação

Estima-se que a iniciativa promova até R$ 510 milhões em investimentos totais em inovação à medida que o modelo operacional da EMBRAPII alavanque recursos privados ao exigir o cofinanciamento do setor empresarial e participação econômica de instituições de ciência e tecnologia (ICTs) nos projetos apoiados pela instituição.

Serão contempladas soluções inovadoras na área de transformação digital, defesa, novos materiais, bem como quatro temas relacionados à sustentabilidade social e ambiental: bioeconomia florestal biocombustíveis, economia circular e tecnologias estratégicas para o Sistema Único de Saúde. O anúncio da iniciativa foi feito durante a COP26.

A participação dos recursos do BNDES nos projetos poderá chegar a 50%. No caso das grandes empresas (receita anual superior a R$ 90 milhões), a participação será de até 33%. O restante dos recursos será aportado pelas Unidades Embrapii e empresas privadas que participarão do projeto.

O aporte de recursos do BNDES, que será não reembolsável, provém do BNDES Funtec – Fundo Tecnológico, cujo objetivo é reforçar e ampliar as oportunidades de fortalecimento das atividades de PD&I do setor industrial no País. A EMBRAPII possui uma rede de 72 Unidades EMBRAPII – ICTs credenciadas com infraestrutura de ponta e pesquisadores qualificados para apoiar a indústria a superar seus desafios tecnológicos.

Além disso, possui a vantagem de atuar em fluxo contínuo, ou seja, a qualquer momento a empresa pode desenvolver projetos, sem a necessidade de esperar edital e sem valor mínimo por projeto, permitindo o apoio à inovação com agilidade, flexibilidade e sem burocracia. Em média, os projetos apresentados pelo setor produtivo são contratados e iniciados em um mês.

Projetos de empresas da região Norte ou que envolvam o bioma da Amazônica de forma sustentável e inovadora estão no foco da ação, e terão apoio diferenciado. Outro desafio é intensificar o desenvolvimento de projetos cooperativos, que envolvam mais de uma empresa.

A cooperação pode ser realizada entre startups e empresas consolidadas no mercado e que anseiam inovar o modelo de negócio ou entre empresas que pertencem a mesma cadeia produtiva, o que pode gerar novos produtos e processos que beneficie todo o setor ao qual pertencem.

Há ainda a possibilidade, pouco usual no país, de unir concorrentes com o mesmo desafio tecnológico. Nesse modelo, as empresas dividem custos e riscos do desenvolvimento da tecnologia, mas aplicam como melhor convier a cada uma no mercado.

“A parceria é uma contribuição destacada do BNDES para a retomada econômica com base na inovação e sustentabilidade”, explica o diretor de Crédito Produtivo e Socioambiental do Banco, Bruno Aranha. “Além de promover a aproximação de empresas e institutos de pesquisa espalhados em todo o País para o desenvolvimento de soluções inovadoras em transformação digital, saúde, defesa, novos materiais e sustentabilidade, também é objeto dessa parceria a criação de competências na Região Norte para o desenvolvimento de negócios ligados às cadeias produtivas florestais da Amazônia”.

“A EMBRAPII promove a integração das ICTs vinculadas (Unidades EMBRAPII) com o segmento industrial, incentivando a inovação nos mais variados setores da economia. Com a parceria com o BNDES, cria-se um forte sinergismo para ampliar ainda mais a interação Empresa-ICT-Governo na alavancagem da inovação industrial. A parceria foca em setores estratégicos, une desenvolvimento e sustentabilidade e vai potencializar e intensificar o poder de atuação da EMBRAPII e de suas Unidades com as empresas”, destaca o diretor-presidente da EMBRAPII, Jorge Guimarães.

Parceria entre BNDES e EMBRAPII vai gerar até R$ 510 milhões em investimentos para inovação

Apoio diversificado

A iniciativa prevê o apoio a projetos de inovação tecnológica aplicada à agricultura, saúde, cidades inteligentes e indústria, tais como automação, IoT, robótica, inteligência artificial e blockchain, além de soluções aplicadas a plataformas de hardware, para o desenvolvimento das tecnologias de 5G, por exemplo.

Em bioeconomia florestal, os recursos se destinam ao desenvolvimento de soluções inovadoras para a exploração econômica sustentável da biodiversidade amazônica, com tecnologias aplicadas às cadeias de produção nativas.

Serão também elegíveis projetos que promovam a recuperação, reuso e reciclagem de insumos em processos produtivos de empresas, assim como aqueles que desenvolvam materiais metálicos e químicos, por meio de matérias-primas limpas e renováveis, e novos biocombustíveis.

Já para atender às demandas do sistema de saúde do país, serão apoiados projetos de elaboração de medicamentos e insumos farmacêuticos ativos, biofármacos, vacinas e kits de diagnóstico, e de tecnologias estratégicas. O desenvolvimento de tecnologias estratégicas para o setor de defesa também será contemplado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here