Há cem anos, a construção de linhas telegráficas exigiu um trabalho penoso e abnegado, desbravando regiões inexploradas, fazendo medições e cálculos em meio ao clima adverso, transportando e instalando cabos e equipamentos com enorme esforço sob o risco de doenças tropicais, serpentes e insetos perigosos.

Ainda hoje a interiorização da comunicação em banda larga reúne importantes desafios de logística, tecnologia e investimentos, ressaltados em recentes estudos por diversos órgãos internacionais como o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) e a UIT (União Internacional de Telecomunicações), que ainda apontam o efeito da pandemia sobre o trabalho e da educação remotos como fatores agravantes da situação de integração digital em países da América Latina, incluindo o Brasil.

A nova revolução 4.0 em que as pessoas, as máquinas e as coisas passam a interagir em tempo real de modo a tornar a dinâmica entre as pontas de produção e consumo mais eficiente e responsiva, compõe uma nova fronteira a ser desbravada em grande parte da nossa extensa dimensão e diversidade territorial.

E, isto pode se referir a uma comunidade rural, a uma extensa área de produção agropecuária, a uma ferrovia cruzando a imensidão do país, a uma indústria ou armazém isolados da conectividade padrão ou mesmo a um bairro mais afastado dos centros urbanos.

É neste sentido, que tecnologias licenciadas sem fio como o 4G, 5G DSS e o futuro 5G SA, se associam a outras alternativas de conexão, como o LoRa, o WiFi6 e o Mesh para a redução destas “brechas digitais” e o provisionamento de serviços de comunicação integrados às plataformas em nuvem, que demandam robustas redes em fibra ótica, rádio e satélite.

A Internet das Coisas (IoT) é um campo que já vem sendo explorado com crescente vigor, porém é importante salientar o seu potencial para empresas instaladas no território nacional, que ao entenderem as demandas específicas dos diversos segmentos produtivos, com os seus “ingredientes locais singulares” de acesso, segurança e criticidade, possam propor soluções dedicadas às condições de contorno da nossa realidade enquanto país continental e repleto de contrastes.

É necessário entender, que hoje dispomos de uma grande multiplicidade de ferramentas para a coleta, para a medição e para a atuação através dos mais diversos e criativos dispositivos IoT, alocados em máquinas, em drones, em seres vivos, e até em seres humanos.

O ambiente de inovação em academias e centros de pesquisa multidisciplinares são fundamentais para promover a conexão e o processamento destas informações por meio de sistemas de Inteligência Artificial, Gêmeos Digitais e Redes Virtualizadas, abrindo novas fronteiras para o nosso desenvolvimento, a exemplo das conquistas da famosa missão de 1927 do nosso Patrono das Comunicações percorrendo mais de 17.000 km do território nacional, um feito à época inimaginável.

A saúde da nossa economia, da nossa capacidade de geração de empregos e da competitividade internacional dos nossos produtos passa por mais conectividade, integração e inteligência embarcada nos mais diversos sistemas de apoio à produção. E, quando falamos em 5G, é sobre esta revolução que estamos falando, e não simplesmente de mais um sistema de telefonia.

Hermano do Amaral Pinto Junior, engenheiro eletricista, economista e diretor de Portfólio da Informa Markets Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here