Elevadores e escadas rolantes já começaram a trazer, na prática, a chamada internet das coisas no Brasil. A centenária Altas Schindler revela ter instalado nos últimos meses os primeiros 50 equipamentos conectados, valendo-se de solução tecnológica de manutenção preditiva, comunicação e telealarme, suportada pela rede da Vivo. 

Como funciona a nova tecnologia de Internet das Coisas no Brasil

“Os novos elevadores já saem compatíveis com um computador de bordo conectado por simcard a uma nuvem onde usamos o software Predix, da GE, que usa machine learning para antecipar a possibilidade de falhas dos equipamentos. A própria plataforma, pelo monitoramento, envia mensagens aos 3 mil técnicos em campo no Brasil. E tanto pode disparar uma ordem de atendimento imediato, por uma emergência, como indicar que o equipamento precisa ser incluído nas visitas do mês”, explica o supervisor do projeto, batizado de Schindler Ahead, Fabio Dans.

Além da GE, a plataforma envolve soluções da Huawei e da Apple, como os iPhones distribuídos àqueles 3 mil técnicos da empresa, com um aplicativo específico para a manutenção dos equipamentos. A plataforma também pode incluir um sistema de comunicação com o responsável pelos elevadores, escadas, esteiras rolantes, como zeladores e síndicos, e ainda uma aplicação desenvolvida no centro de pesquisa do Brasil, de alarme e comunicação de passageiros porventura presos num dos elevadores com a central de atendimento.

Leia também: “O que é Internet das Coisas? Dez fatos que você precisa saber sobre IoT”

Se o sistema foi desenvolvido com um olho para reduções de custo de manutenção e do tempo parado dos equipamentos, a conectividade permitiu a criação de negócios paralelos. Um deles é transformar as portas dos elevadores em telas, para avisos – e propaganda. Algo semelhante será aplicado às laterais de escadas e esteiras rolantes. E foi criado até uma tela sensível ao toque para substituir os quadros de avisos de condomínios. “Vamos entrar nesse mercado de comunicação a partir de 2019”, revela Dans.

Fonte: Convergência Digital

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here