Uma pesquisa divulgada em 2020, pelo boostLAB, o hub de negócios do BTG Pactual para empresas tech, mostra que apenas entre os anos de 2017 e 2018, o número de bancos digitais saltou 147%, comprovando a alta procura por modelos de fácil acesso.

Diante disso, com todo prejuízo e redução de receita das empresas no Covid-19, as empresas vêm adotando como solução trabalhar com ecossistemas financeiros fechados para diminuir custos e para gerar novas receitas acessórias.

Antes da pandemia as contas digitais já eram uma realidade. Houve um crescimento de fintechs que oferecem soluções menos burocráticas, abertura de conta e fácil administração pelo celular através de Apps em Android e iPhone (iOS). Hoje elas também são capazes de oferecer soluções ainda mais práticas, com diferentes funcionalidades, serviços e tarifas bem menores do que dos bancos tradicionais.

Há também alguns bancos com seu próprio programa de “cashback”, recompensas e/ou fidelidade, como por exemplo o Rewards do Banco Original, além de algumas opções de investimentos e empréstimo pessoal para correntistas usando seus próprios Fundos FIDC, entre outras opções.

Porém, uma desvantagem da conta digital em sua maioria é que – normalmente – não oferecem alguns serviços totalmente gratuitos ou com limitação, como exemplo, os saques gratuitos nos caixas eletrônicos da rede do Banco24Horas, em que a tarifa geralmente gira em torno de R﹩6,50.

A potencialização com a integração do DigitalBank com a tecnologia “blockchain”, possibilita a emissão, gestão e negociação de criptoativos securitizados “STO” (recebíveis, concessão de direitos autorais, quotas de precatórios, quotas de crowdfundings, quotas de direitos aluguéis de imóveis, ativos de energia, programas de cashbacks/recompensas de clientes) em blockchains privados ou públicos.

Uma nova era de “embedded fintechs”, seguindo o modelo de DigitalBank “Invisível”, proporciona a transformação de áreas financeiras das empresas em pequenas fintechs, com o sufixo “Pay” ou “Bank”, sendo acessíveis a qualquer empresa de pequeno, médio e grande porte.

Então, já é possível ter o seu próprio “DigitalBank” de 45 a 90 dias, altamente seguro, com backoffice com onboarding com reconhecimento facial, políticas de anti-lavagem de dinheiro, combate ao terrorismo, pessoas politicamente expostas e LGPD por conta de sua plataforma robusta, incluindo blockchain privado ou público, caso possuam criptoativos.

É importante dizer ainda que, além de quase todos serviços tradicionais de banco, esse novo modelo de negócio oferece inúmeras funcionalidades que geram novas receitas para as empresas. Destaca-se o acesso a conta digital facilitada, serviços financeiros com custos mais baixo e de forma segura, rentabilidade e um layout com a cara da marca, com módulos conforme necessidade de cada empresa em particular.

Artigo de Rodrigo Pimenta, CEO da HubChain Tecnologia

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here