Decisões de negócio só podem ser tomadas com base em dados qualificados, e a adoção de tecnologia para melhorar a obtenção destes insumos pode ser uma pequena, mas significativa, revolução na empresa.

Para alcançar o sucesso neste processo, entretanto, é preciso, antes, passar por uma mudança cultural, entregando controle e análise de informações a todo o negócio: o protagonismo individual de lideranças perde força, e o compartilhamento da análise de dados com todos os departamentos ganha relevância, priorizando o colaborativo embasado no conteúdo.

Por outro lado, implementar efetivamente esta cultura de dados pode ser um grande desafio. Veja-se pesquisa da Forbes Insights e McKinsey que indica que 54% dos entrevistados entendem big data e Analytics como algo importante expansão dos negócios, mas admitem ter pouca ou nenhuma adoção de cultura de dados orientada a dados em suas companhias.

Mas é possível reverter o quadro e alcançar um cenário favorável à adoção da estratégia data based, mirando todos os esforços, pessoas, setores e informações no target do crescimento.

Leia mais: “Lei de proteção de dados estabelece normas rigorosas”

Veja dicas de como implementar a cultura de dados de sua empresa

cultura de dados

1. Simplifique o acesso aos dados

Os colaboradores precisam criar um hábito de buscar e lidar com dados. Para tanto, têm de ter acesso às informações de forma simplificada, desburocratizada e aberta – dentro das políticas de segurança da informação da empresa, é claro.

2. Tenha um método para os dados

Motivar os funcionários, só, não basta. É preciso criar uma metodologia de indicadores e métricas a ser seguida, que todos os colaboradores e departamentos possam compartilhar e reconhecer.

Uma empresa é composta por uma variedade de aplicações, cada uma com suas bases de dados. Cada API é diferente, e, por isso, é crítico que todos compreendam as nuances de cada informação, aprendendo a lidar com isto da melhor forma e criar estratégias baseadas no compartilhamento de dados.

3. Conecte os dados aos objetivos de negócio

Esse é o ponto-chave. A adoção de uma ferramenta de BI, por exemplo, diz muito mais respeito aos objetivos de negócio do que a uma necessidade tecnológica. Lidar com dados requer inteligência, recursos, treinamento. A tecnologia ajuda, sim, mas CIOs precisam dialogar com os líderes de negócio em cada setor e estabelecer objetivos comuns para que as equipes sejam engajadas e usem a informação, bem como as ferramentas de tratamento e análise, de forma produtiva.

4. Dê o exemplo e estimule os primeiros passos

Todos devem ser envolvidos, mas os gestores devem puxar a frente, dando o exemplo ao usar as bases de informação da empresa para embasar suas decisões de negócio e ter insights mais qualificados.

O processo pode começar verticalmente, para depois se espalhar ao longo da organização, com cada área observando e analisando os dados relevantes para suas tarefas para definir as melhores ações a serem tomadas.

5. Escolha a ferramenta certa

Todos os passos anteriores convergem para esta etapa. Uma ferramenta de BI pode ser o começo de tudo, mas ele só será 100% eficaz quando combinado aos esforços de transformação cultural e processual da empresa.

Mesmo assim, observar as ferramentas do mercado e escolher a que melhor se encaixe ao plano da empresa é imprescindível. Estabeleça quais as necessidades principais – acesso ágil, facilidade de uso, robustez no tratamento dos dados etc – e, a partir disso, escolha a solução mais aplicável.

A tecnologia, como o BI, não é a solução milagrosa de todos os problemas. Pode, sim, ser o motor que agilizará o aumento de eficiência e produtividade na operação, mas a cultura de dados data based vem à frente e faz o chão para que todos os demais recursos frutifiquem.

Douglas Scheibler é CEO da BIMachine

Fonte: Computer World

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here