Não é mais uma questão de “se”, mas de “quando”. Os especialistas concordam que a Internet das Coisas (IoT) está chegando à fabricação de alimentos de maneiras cada vez mais difíceis de ignorar. A IoT está mudando a forma como a indústria alimentícia lida com problemas como segurança, comércio eletrônico e, até mesmo, gerenciamento de resíduos.

O que é a Internet das coisas?

A Internet das Coisas refere-se a dispositivos que coletam e transmitem dados pela Internet. Quarenta por cento desses dispositivos inteligentes vivem e trabalham nos negócios e na fabricação. Por causa da IoT, as empresas estão usando todos os tipos de dados para entender e melhorar seus processos de trabalho.

A IDC prevê que, até 2018, a proliferação de aplicativos analíticos avançados e específicos, alinhados com a IoT, resultará em uma melhoria de produtividade de 15% para os fabricantes em termos de entrega, de inovação e desempenho da cadeia de fornecimento. Um relatório do Business Insider do final de 2015 prevê que pelo menos 34 bilhões de dispositivos conectados estarão em uso até 2020.

Implicações da IoT

Em primeiro lugar, a IoT ajuda a garantirmais altos níveis de segurança alimentar, rastreabilidade e, consequentemente, responsabilidade em toda a cadeia de fornecimento da fazenda até a chapa. Sean Riley, diretor de soluções de negócios estratégicos da Software AG, nos disse que muitos também esperam que a IoT influencie o processo de manufatura por meio de técnicas aprimoradas de qualidade de produção e gerenciamento de estoque.

Sabe-se que é um desafio difícil em um setor com um ambiente de produção agressivo e requisitos regulatórios elevados. No entanto, o valor real está na capacidade de mudar completamente a experiência do consumidor e as relações mantidas entre o consumidor, o fabricante e o varejista. Entretanto, esta não é uma visão do futuro – isso está em andamento agora.

Empresas como a IBM estão utilizando tecnologias como a Watson em ofertas como a Agricultura de Precisão. Eles coletam dados em tempo real sobre clima, qualidade do solo e do ar, maturidade de safra e até mesmo custos e disponibilidade de equipamentos e mão-de-obra, para que a análise preditiva possa ser usada para tomar decisões mais inteligentes.

Apesar da relativa relutância da indústria de alimentos em aderir à revolução da IoT, acredita-se que essa é a única solução que ajudará a gerenciar, dimensionar e obter visibilidade e percepção onde há pouco ou nenhum hoje.

Segurança alimentar

A indústria alimentícia lidera a demanda na tecnologia de segurança IoT. A FSMA e a FDA agora exigem monitoramento detalhado e manutenção de registros, e sensores inteligentes que são a melhor maneira de rastrear alimentos em trânsito.

Os sensores inteligentes e seus sistemas associados estão substituindo os registros em papel e usando listas de verificação HACCP pré-carregadas para manter dados contínuos sobre alimentos à medida que são produzidos, fabricados, transportados e armazenados.Salientando que esses sensores medem a temperatura, principalmente. Mas, em breve, eles também podem ser usados para induzir os funcionários a realizar e verificar as inspeções necessárias e para relatar outros dados relacionados à conformidade.

Logística

RichChavie, escrevendo para a Food Manufacturing, aponta uma série de potenciais benefícios logísticos. Ele acredita que os dispositivos conectados oferecem oportunidades para evitar o mau funcionamento de máquinas, melhorar a eficiência e aperfeiçoar processos por meio da análise de dados.

No setor manufatureiro, os seres humanos são uma raça em extinção”, diz Sajith Wimalaratne, chefe de desenvolvimento de alimentos e bebidas da Cambridge Consultants. Isso porque a comunicação máquina-a-máquina,cresceráconsideravelmente em importância à medida que os fabricantes de alimentos buscarem alavancar a IoT.
Wimalaratne aponta três oportunidades atuais:

• Acompanhamento em tempo real do estoque usando janelas que indicam automaticamente quando precisam ser reabastecidos e acionam os materiais a serem recuperados.
• Manutenção preditiva que fornece alertas preventivos para o mau funcionamento do equipamento e pode até mesmo permitir que as máquinas corrijam automaticamente os problemas antes que eles ocorram.
• Monitoramento remoto de condições para garantir a segurança e a qualidade do produto final.

A IoT já afeta a logística, talvez mais do que em qualquer outro lugar. Afinal, a IoT é usada para monitorar e rastrear remessas globais, planejar rotas alternativas para garantir a entrega do produto em tempo hábil e mede fatores críticos em tempo real para permitir intervenções para resolver anomalias que ocorrem.

O que deve ser observado:

Mike Harden, da empresa de aceleração tecnológica ARTIS Ventures, diz que a IoT continuará a impactar drasticamente a segurança alimentar em áreas como monitoramento de nível de unidade e teste de produtos. Mesmo com a tecnologia atual, um surto de E. coli pode levar semanas ou meses para rastrear e recordar.

Harden lança esta visão: “Dispositivos conectados à IoT em toda a cadeia de suprimentos e rastreamento no nível da unidade tornarão os recalls mais rápidos e mais estreitos, permitindo que as empresas identifiquem exatamente onde os produtos contaminados estão localizados e quais foram consumidos. Imagine um refrigerador inteligente cujo scanner ótico o alerte a um recall de espinafre ou a um alerta do supermercado dizendo que você comprou recentemente um produto contaminado. ”

Food Processing prevê que a IoT irá atingir a indústria alimentar em ondas. Primeiro, via “usuários fixos” ou PCs conectados à Internet; segundo, via sensores; e terceiro, através de “outras coisas”. Uma vez que as plantas estejam totalmente conectadas e seus dados agregados, o aprendizado de máquina pode ser seguido.

Mark Osborn, chefe global de produtos de consumo da fornecedora global de software de aplicativos empresariais SAP, afirma que atualmente, os fabricantes de alimentos estão aplicando as estratégias da IoT aos poucos, em todos os segmentos do negócio. Isso se deve parcialmente, à complexidade de integrar dados e insights em todo o processo.
Embora as empresas não estejam necessariamente negligenciando as oportunidades, elas são limitadas pelos sistemas e dispositivos que podem alimentar seus processos atuais.

A IoT promete fornecer insights para transformar todo o processo de negócios da indústria alimentícia, do design à distribuição. As empresas estão apenas começando a lançar as tecnologias e ferramentas para transformar essa transformação em realidade.

Conclusão

Um estudo recente divulgado pelo Aberdeen Group indicou que a maioria dos fabricantes de alimentos e bebidas está abaixo dos padrões da indústria em quatro métricas principais:
• Percentagem de produtos em conformidade;
• Remessas completas e no prazo;
• Uso da eficácia geral do equipamento, uma métrica composta responsável pela disponibilidade, desempenho e qualidade; e
• Tempo de resposta para remessas não conformes.
Uma explicação possível pode ser encontrada na natureza manual da coleta de dados atual relacionada à movimentação de produtos, registro de produção e controle de qualidade baseado em risco, resultando em falta geral de visibilidade das operações do fabricante e incapacidade de localizar informações específicas rapidamente. No mesmo estudo da Aberdeen, três áreas são mencionadas como requisitos para ir além do status de retardatário para os melhores da sua classe:
• A segurança alimentar deve se tornar uma prioridade corporativa;
• A rastreabilidade e a conformidade devem ser incorporadas ao processo de produção de um fabricante por meio de facilitadores, como o HACCP e o CAPA automatizados; e
• Soluções que oferecem visibilidade em tempo real e rastreabilidade em toda a cadeia de suprimentos devem ser implementadas.

Embora a maioria dos fabricantes e processadores de alimentos adotem uma solução de planejamento de recursos empresariais, eles invariavelmente não adotaram uma solução integrada de gerenciamento de segurança alimentar que permita o controle em tempo real do estabelecimento, o controle de documentos eletrônicos, a qualidade e a rastreabilidade. A Aberdeen identifica os melhores fabricantes do setor com base no sucesso em duas áreas principais: integração de dados de produção e qualidade e fornecimento de alertas em tempo real quando exigido por condições adversas.

Em resumo, os requisitos permanecem e a pressão está aumentando, mas a tecnologia avançou para responder às necessidades do produtor de hoje. Ao chegar à nuvem, os fabricantes de alimentos e bebidas agora podem se dar ao luxo de alcançar o melhor status da categoria com uma solução corporativa de gerenciamento de segurança de alimentos em um modelo de entrega acessível. O investimento na tecnologia apropriada também ajudará a evitar os danos que podem resultar de um recall desnecessariamente grande ou pesado.

Quando a integração de dados é automatizada e está disponível em tempo real, a melhor tomada de decisões é o resultado – e os produtores e consumidores ganham.

Por fim, a implementação dos softwares que inclui a IoT eleva, evidencia e destaca a sua empresa da massa, mas é crucial estudar, se informar e investir em pessoas capazes de manusear toda essa tecnologia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here