A transformação digital no setor de saúde envolve diferentes tendências, que surgem com o objetivo de ampliar os benefícios aos pacientes e prestadores de serviços no segmento. Teleassistência, uso de aplicativos de engajamento do paciente, aplicação da inteligência artificial nos processos de assistência e análises avançadas de dados com tecnologias de big data têm sido alvo de investimentos recentes como forma de racionalizar custos e melhorar os serviços.

Todas as aplicações já implantadas geram uma grande quantidade de dados valiosos. Garantir a disponibilidade e a segurança deles é uma premissa básica e atual, mas para que a tecnologia possa de fato evoluir nesse setor, é necessário dar um passo além, integrando todo o fluxo de informações relacionadas à saúde.

Hoje, a fragmentação de dados como prontuários e receitas é um dos principais problemas enfrentados por diferentes agentes de saúde e resolvê-lo envolve a aplicação de tecnologias capazes de “conversar” com os sistemas atuais para centralizá-las em um único repositório de dados e torná-los disponíveis para melhorar a assistência e otimizar os recursos.

Nesse sentido, um projeto desenvolvido em nossa vizinha Colômbia salta aos olhos em questão de interoperabilidade. Recentemente, a capital do país, Bogotá, implantou um projeto para integrar informações de pacientes em 22 hospitais públicos da região.

A solução empregada é baseada em FHIR (Fast Healthcare Interoperability Resources), o último padrão de interoperabilidade desenvolvido e promovido pela organização internacional HL7 (Health Level Seven), empresa responsável por alguns dos protocolos de comunicação mais utilizados na área da saúde.

A partir desta iniciativa, os profissionais da assistência obtém respostas rápidas e precisas que os apoiam nos processos de tomadas de decisão clínicas, além de outras ferramentas que auxiliam em projetos de pesquisa clínica e trabalhos científicos.

A integração dos processos de gerenciamento de consultas e prescrição eletrônica também traz benefícios importantes: permite aos cidadãos acompanhar seus compromissos através de um portal e melhorar o controle da demanda de agendamentos.

Além disso, gerencia todo o processo das receitas médicas, acelerando o acesso dos pacientes aos medicamentos e reduzindo o deslocamento dos pacientes com doenças crônicas.

O acesso em tempo real as informações de relatórios médicos, laudos, testes, medicamentos, antecedentes ou alergias apoia muito a tomada de decisões e os cuidados em relação à saúde, além de fornecer uma visão completa da história do paciente.

Com isso, é possível melhorar a assistência prestada, aumentar a produtividade e diminuir os procedimentos administrativos e burocráticos envolvidos em toda a cadeia.

Esses são os benefícios obtidos em uma das maiores cidades da América Latina e, com base nisso, não é difícil imaginar o que outras grandes metrópoles podem ganhar com o emprego de tecnologias avançadas que facilitem o uso dos dados de maneira integrada.

É claro que o cenário brasileiro traz muitos desafios. Hoje, questões simples como atendimento, profissionais qualificados e acesso a sistemas eficientes carecem de atenção, mas é fundamental olhar para o futuro e entender que é um cenário possível, ainda que em longo prazo.

Com o envelhecimento da população e a concentração cada vez maior de pessoas nos grandes centros urbanos, investir em saúde tem de ser algo ainda mais prioritário para os próximos anos. O avanço das tecnologias disruptivas e das health techs com certeza contribuirá para a melhora desse cenário.

As demandas cada vez mais se intensificam para que as instituições trabalhem com modelos de assistência integrada que incluem além do tratamento, a prevenção e o bem-estar e para isso, mais do que nunca o uso dos dados, a história completa dos pacientes se tornam ativos cada vez mais valiosos. Há um caminho possível para isso: integração das informações, em todos os agentes e sistemas de toda a cadeia.

Concluindo, é mandatório planejar e investir cada vez mais em tecnologias, integração e análise de dados para melhorar a assistência ao paciente e fazer as instituições de saúde cada vez mais eficientes.

Artigo de Willian Soares, gerente de Saúde da Minsait no Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here